26 dezembro 2011

DESEJO A TODOS OS MEUS QUERIDOS LEITORES E SEGUIDORES...

...UM ANO DE 2012 COM MUITA LUZ, PROSPERIDADE E UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PARA O NOSSO PLANETA!

SOMENTE FICAREMOS FELIZES SE O NOSSO PLANETA ESTIVER SENDO BEM ADMINISTRADO!

PARA VOCÊS, ALGO DE BOM DE ALGUÉM QUE ESTÁ FAZENDO A DIFERENÇA:

Foi a partir de 1996 que ela decidiu recolher e “reciclar” bonecas que encontrava no lixo, próximo à sua casa, para enviar à Bahia.


“Eu, que comecei a trabalhar na roça aos nove anos de idade, nunca ganhei uma boneca de verdade. Sempre fazia as minhas com espigas de milho ou banana verde (...) Mas aqui, em São Paulo, percebi que as pessoas costumam jogar muita coisa fora. Uma pena! E com tanta criança sem brinquedo...”, conta.

Pelo menos duas vezes por semana, Ednalva, que já ficou conhecida no bairro, sai em busca de material. “Às vezes, os próprios garis deixam na porta da minha casa”, diz.

Os brinquedos recolhidos passam por um longo e minucioso processo: ganham banhos em água fervente para a retirada de detritos e são consertados ou costurados em sua velha máquina manual, comprada de segunda mão numa feira da região.

Após o término, todo o material é estocado em sacos plásticos e enviado às crianças pobres do interior da Bahia. “No ano passado, quando foram enviadas 18 sacolas, paguei R$ 250 do meu próprio bolso”, conta.
As bonecas são entregues a igrejas e a creches de Campo Formoso e Antônio Gonçalves, cidades localizadas na região da Chapada da Diamantina, centro-norte da Bahia.
Eu sou pedreiro, mas atualmente estou recebendo só auxílio-desemprego. Um salário mínimo. Mas sempre que posso também ajudo. Dou a maior força para o trabalho dela”, afirma João Pereira da Silva, de 62 anos, marido de Ednalva.
A família faz as contas: em 15 anos, já foram cerca de 15 mil bonecas "recicladas", ou, mil por ano. Em média, a dona de casa surge com três novos brinquedos por dia.

Num sorriso tímido, porém de satisfação, ela diz: “Sempre sonhei em ter um quarto só com bonecas. É um trabalho que dá prazer, alegria, e essas crianças terão o que eu não tive na minha infância.”



10 dezembro 2011

FAÇA ALGO PARA AJUDAR AS NOSSAS MATAS! NÃO PODEMOS CRUZAR OS BRAÇOS E ESPERAR DO GOVERNO.

FAÇA SUA PARTE!


Salvar a Mata Atlântica depende do esforço de todos nós, brasileiros. Vamos mostrar para o mundo que somos uma sociedade responsável, que respeita todas as formas de vida e que deseja preservá-las para as futuras gerações.

CARACTERIZAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA




Pode-se imaginar a Mata Atlântica como sendo estruturada em camadas. Cada uma destas camadas pode ser um hábitat específico para determinadas plantas e animais.


2. CARACTERIZAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA



Pode-se imaginar a Mata Atlântica como sendo estruturada em camadas. Cada uma destas camadas pode ser um hábitat específico para determinadas plantas e animais.



Figura 2.1 Estrutura da floresta: dossel (copada).

O tronco das árvores, normalmente liso, só se ramifica bem no alto para formar a copa, que nas árvores mais altas tocam-se umas nas outras, formando uma massa de folhas e galhos. Esta parte vem a ser o camada superior, conhecida também como dossel. O bugio e o tucano são exemplos de animais que ocupam essa camada. A maioria das espécies de bromélias e orquídeas que necessitam de uma maior quantidade de luz também ocupam essa camada.

Figura 2.2 Saí-verde (Chlorophanes S. Spiza): uma das aves que preferem ocupar a camada do dossel da floresta Atlântica.

Em uma parte mais baixa, nascem e crescem arbustos e pequenas árvores tais como bambus, samambaias gigantes (xaxins), liquens e outras espécies, que toleram menos quantidade de luz. Esta parte constitui-se no que se chama de sub-bosque. A maioria das espécies de aves ocupa essa camada da floresta.

É importante ressaltar que tanto nas árvores mais altas como nas mais baixas, encontram-se várias outras espécies de plantas, tais como cipós, bromélias e orquídeas.

As folhas que caem das árvores, bem como os galhos secos que se desprendem e os troncos das árvores que morrem vão se acumulando no chão da floresta e criam um ambiente muito especial, que se constitui no hábitat para muitos animais e microorganismos, como fungos e bactérias, que são os principais responsáveis pelo processo de decomposição de toda esta matéria morta, que são transformados em nutrientes para manter o vigor e crescimento das árvores e outras plantas. Esta camada de materiais em decomposição recebe o nome de serapilheira.

A serapilheira tem também uma importante função de proteger o solo da floresta: evita a erosão e mantém a umidade. O solo úmido absorve melhor a água das chuvas, o que torna possível a recarga do lençol freático, evitando que as nascentes sequem.

Certas espécies de répteis e anfíbios têm uma adaptação especial para ocupar esta camada da floresta: apresentam uma coloração que se confunde com o ambiente das folhas secas, tornando-se assim “invisíveis”. É uma estratégia de defesa contra ação de predadores.

Fonte:http://www.ra-bugio.org.br/comonosajudar.php

GENTE, 2020 É SUPER TARDE PARA COMBATER O QUE ESTÁ PROVOCANDO AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS!

08/12/2011 - 07h00


Ano de 2020 pode ser tarde demais para combater mudanças climáticas, diz UE na COP

Lilian Ferreira

Do UOL Ciência e Saúde, em Durban, África do SulComentários


A proposta para combater a crise climática de países em desenvolvimento, como China, e também dos EUA, desenvolvido que não tem metas obrigatórias de redução dos gases do efeito estufa, é pensar em um acordo legal para todos os países a partir de 2020. Enquanto isso, alegam alguns, o ideal é prorrogar o Protocolo de Kyoto, que expira no final de 2012. Entretanto, a União Europeia, signatária do pacto, não aceita estendê-lo caso os países não aceitem agora um compromisso legal a partir de 2020.

"Se fizemos um segundo período sem o comprometimento, os demais países vão relaxar e vão parar de se esforçar. Aí 2020 para começar a fazer algo será tarde demais. Tudo demora mais do que todos nós podemos imaginar. Não podemos esperar para começar a discutir um acordo global", disse a representante da União Europeia, Connie Hedegaard.

"A fórmula de divisão do planeta de 1990 não é mais aplicada mudialmente, temos que achar uma nova fórmula de dividir a responsabilidade", ressalta.

O Japão tem uma posição ainda mais dura: não aceita nem entrar em um segundo período de comprometimento se os principais poluidores não se comprometerem. "Nõs vamos continuar membros do Protocolo, vamos participar das negociações, mas não aceitamos um segundo período", disse o negociante japonês.

"Nós temos os mesmos objetivos que a UE, temos que apelar para as grandes economias como China, índia e EUA para chegar a um pacto global. Por isso precisamos começar um novo grupo de discussão e não continuar com Kyoto", completou.

Ele também compartilha da ideia de que é preciso continuar com os projetos de corte das emissões até 2020 e não empurrar para daqui oito anos estas ações.

Para Samantha Smith, do WWF, é hora de todos os países se comprometerem e trabalharem duro para começar agora um acordo vinculante para 2020. "Os países em desenvolvimento devem começar em outro ponto de partida, mas não podemos esperar até 2020. Precisamos ir fazendo até lá e depois aumentar os níveis de ambição".

Além dela, Tove Ryding, do Greenpeace, concorda. "OS EUA só querem falar de ações para 2020 quando a ciência diz que precisamos agir agora. A questão é o que vai acontecer entre hoje e 2020. Olhar só para 2020 é irresponsável".

Quem vai?

Connie diz que a UE já reduziu suas emissões e vão continuar neste processo independentemente. "O que estamos tentando fazer é q esse seja um processo ambicioso. Se demorarmos para começar a discutir o pacto global, o que terá depois do segundo período? Precisamos discutira agora. As reduções não mudam muito para a Europa, mudam para o resto do mundo. Eles precisam sentir uma mudança, precisamos começar a sinalizar alguma ação".

A principal questão para europeus é saber quem se compromete e como, querem saber "até onde eles vão". É isto que será discutido detalhadamente até sexta. China diz que aceita metas publicamente, mas nas negociações fechadas parece ainda estar fechada para obrigações internacionais. EUA dizem que só entram, a partir de 2020, se for em pé de igualdade com a China, que só entra se não for em pé de igualdade.

O chamado ping-pong entre EUA e China é o que mais compromete o acordo que deve ser desenhado em dois dias. "A China anunciou movimento em direção ao comprometimento, não vejo tanta ação dos EUA", disse o europeu Jo Leinen.

A UE quer que sejam definidas regras até 2014, para que elas sejam ratificadas até 2020. O Brasil, por exemplo, pede que se espere um ano para que saia o relatório do IPCC com as consequências do aquecimento global e do resultado das ações até a data.

Posições quanto a um pacto global de corte de gases estufa

ChinaEUAUEAustráliaJapão, Rússia e CanadáÍndiaBrasilA China tem se mostrado propensa a aceitar um acordo que vise um compromisso de metas obrigatórias a partir de 2020, com regras a serem definidas no futuro e se uma série de cinco condições forem atendidas.

Entre as demandas está o acordo de uma segunda fase de Kyoto, a criação do Fundo Verde para o Clima e o princípio de responsabilidade comum, mas com exigências diferenciadas, dependendo da capacidade de cada país, ou seja, quem está em desenvolvimento não teria as mesmas metas de desenvolvidos. Este é o principal ponto de desacordo com os EUA, que querem metas 'iguais' para todos.

Até 2020 valeriam as ações voluntárias dos países em desenvolvimento recolhidas no protocolo. A China tem um autoimposto desde 2009, que tem por objetivo melhorar entre 40% e 45% suas emissões de dióxido de carbono por unidade do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 na comparação dos números de 2005. Isto poderia não significar uma redução das emissões em termos absolutos, apenas relativos.

Um dos entraves para o país é que um acordo legal internacional exige monitoramento global das emissões (para checar se o acordo está sendo cumprido). Mas a China é contra qualquer controle externo.

Fonte:http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2011/12/08/ano-de-2020-pode-ser-tarde-demais-para-combater-mudancas-climaticas-diz-ue-na-cop.jhtm

URGENTÍSSIMO!

Precisamos prorrogar o Protocolo de Kyoto e adotarmos medidas fortes e pesadas para combatermos os males que estão detonando o clima...o mundo está ficando intragável!
Parem com isto!
Chega de tantos blá, blá, blas!
O planteta exige medidas concretas e sérias!
ELE ESTÁ MUITO DOENTE

Pensem seriamente nisto!


Helena Rezende

09 dezembro 2011

RIO DANÚBIO - TODOS NÓS SOMOS RESPONSÁVEIS POR ISTO

08/12/2011 - Seca no segundo rio da Europa é a pior dos últimos 60 anos



Raúl Sánchez Costa


Rio Danúbio com vista da ponte Széchnyi e do Palácio Real iluminados, em Budapeste

"Se continuar baixando o nível da água na bacia do rio Danúbio, nos encontraremos em uma situação desesperada", alerta o prefeito de Crisan (Romênia), Vaniusa Artimov, sobre a extenuante seca do segundo rio mais longo da Europa depois do Volga. Desde junho o rio está sofrendo as consequências de um verão extremamente seco. As precipitações foram escassas desde o sul da Alemanha até sua desembocadura no mar Negro.

Isto causou complicações para a população e produziu grandes problemas de tráfego, sobretudo nos últimos 1 mil quilômetros, que incluem Sérvia, Bulgária e Romênia. Ao chegar à Romênia, o rio alcança só 1.850 m3 por segundo, o que representa 35% da média anual, e se aproxima dos 1.600 m3 por segundo que chegaram a ser registrados em setembro de 2003.

"O tráfego no Danúbio está em perigo. Em Chiciu, perto de Calarasi, na fronteira com a Bulgária, um navio está encalhado e por isso são necessários dois barcos para transportar os passageiros e os veículos", adverte Constantin Anghel, chefe do porto de Calarasi. "Em uma semana provavelmente não passará nenhum outro navio", continua.

A Agência para a Exploração do Danúbio lança outro dado preocupante: seu nível é o mais baixo dos últimos 60 anos na zona búlgara. A seca deixou expostos vários bancos de areia, enquanto se contemplam as proas enferrujadas de embarcações alemãs da Segunda Guerra Mundial em Prahovo (Sérvia).

Só os cargueiros com um calado inferior a 1,70 metro e vazios podem circular. Um navio carregado de carvão se encontra na margem. "Se a água subisse uns 70 centímetros poderíamos navegar. Nesta zona o nível caiu para menos de 110 cm, o que favorecerá seu congelamento quando as temperaturas diminuírem", explica Anghel.

Bucareste poderá ser obrigada a fechar um reator de sua única central nuclear de Cernovada, no leste do país, já que precisa de água do rio para se resfriar. Esta usina gera 20% da produção de eletricidade. O diretor de Energia Nacional, Marian Cernat, esclarece que se o nível baixar dos 2 mil m3 por segundo haverá motivos para alarme.

A energia hidráulica, que proporciona um terço da produção, diminuiu mais de 30% e por isso está sendo substituída por gás e carvão, mais poluidores e caros.

"Se o rio tivesse sido dragado a situação teria melhorado apesar da seca", indica Armitov. Bruxelas elaborou a Estratégia do Danúbio, mas a crise financeira a freou em seco.

A Romênia pretende transformar Costanza na porta do leste da Europa e construir um canal até Bucareste, com o que seria a quinta capital do continente sobre o Danúbio, depois de Viena, Bratislava, Budapeste e Belgrado.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves
FONTE:http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/elpais/2011/12/08/seca-no-segundo-rio-da-europa-e-a-pior-dos-ultimos-60-anos.jhtm

06 dezembro 2011

ENQUANTO O HOMEM NÃO SE CONSCIENTIZAR QUE ESTA CENA É MORTAL PARA O PLANETA, HAVEREMOS DE FICAR BATENDO NA MESMA TECLA: vamossalvarnossoplaneta

Foto: http://www.iped.com.br/sie/uploads/20964.jpg

SERÁ QUE O NOSSO FUTURO VAI SER ESTE? VAMOS AMIGOS, VAMOS FAZER A NOSSA PARTE!

Livro mostra filhotes nascidos em zoos no mundo inteiro


O livro ZooBorns traz imagens de animais nascidos em cativeiro, alguns deles ameaçados de extinção, como estes filhotes de lontra-de-garras-pequenas que vivem no Sea World, na Flórida.

Filhotes de animais nascidos em cativeiro ao redor do mundo são as estrelas do livro ZooBorns. Mas além de adoráveis, os bebês muitas vezes representam uma nova esperança para suas espécies na natureza.

Estudando exemplares raros ou reclusos, cientistas trabalhando em zoológicos e aquários conseguem desenvolver estratégias de preservação para as populações selvagens.

O objetivo dos autores, Andrew Bleiman e Chris Eastland, é "conscientizar as pessoas sobre como os programas de procriação de animais em cativeiro em instituições sérias ajuda nos esforços de preservação na natureza".

O livro surgiu de um blog com o mesmo nome, que celebra o nascimento de bichinhos raros e ameaçados, contando suas histórias e mostrando fotos enviadas por zoológicos e aquários.

O nascimento de bebês de lontra-de-garras-pequenas, como parte do Plano de Sobrevivência de Espécies do SeaWorld, na Flórida, foi motivo de muita comemoração, já que este tipo de lontra está ameaçado de extinção.

Também ficaram no centro das atenções Kali e Durga, dois filhotes de tigres-de-bengala brancos, nascidos no Lowry Park Zoo, em Tampa. Os animais são raros na natureza porque o pelo branco os torna presas fáceis.

ZooBorns foi  lançado no dia 7 de outubro na Grã-Bretanha pela editora Constable & Robinson.

Fonte:http://www.bbc.co.uk/portuguese/multimedia/2010/10/101005_zooborns_is.shtml

05 dezembro 2011

A AMAZÔNIA DIZIMADA...E NINGUÉM DÁ UM BASTA NESTA SITUAÇÃO!

27/10/2011 - 09h51


Amazônia está muito próxima de não conseguir sobreviver, diz estudioso

Da Agência FapespComenteA Amazônia está muito próxima de um ponto de não retorno para sua sobrevivência, devido a uma combinação de fatores que incluem aquecimento global, desflorestamento e queimadas que minam seu sistema hidrogeológico.

A advertência foi feita por Thomas Lovejoy, atualmente professor da George Mason University, no Estado de Virgínia, EUA, no primeiro dia do simpósio internacional FAPESP Week, em Washington, nesta segunda-feira.

O biólogo Lovejoy, um dos mais importantes especialistas em Amazônia do mundo, começou a trabalhar na floresta brasileira em 1965, “apenas três anos depois da fundação da FAPESP”, lembrou.

Apesar de muita coisa positiva ter acontecido nestes 47 anos (“quando pisei pela primeira vez em Belém, só havia uma floresta nacional e uma área indígena demarcada e quase nenhum cientista brasileiro se interessava em estudar a Amazônia; hoje esse situação está totalmente invertida”), também apareceram no período diversos fatores de preocupação.

Lovejoy acredita que restam cinco anos para inverter as tendências em tempo de evitar problemas de maior gravidade. O aquecimento da temperatura média do planeta já está na casa de 0,8 grau centígrado. Ele acredita que o limite aceitável é de 2 graus centígrados e que ele pode ser alcançado até 2016 se nada for feito para efetivamente reduzi-lo.
O objetivo fixado nas mais recentes reuniões sobre o clima em Cancun e Copenhague de limitar o aumento médio da temperatura média global em 2 graus centígrados pode ser insuficiente, na opinião de Lovejoy, devido a essa conjugação de elementos.

De forma similar, Lovejoy crê que 20% de desflorestamento em relação ao tamanho original da Amazônia é o máximo que ela consegue suportar e o atual índice já é de 17% (em 1965, a taxa era de 3%).

A boa notícia, diz o biólogo, é que há bastante terra abandonada, sem nenhuma perspectiva de utilização econômica na Amazônia e que pode ser de alguma forma reflorestada, o que poderia proporcionar certa margem de segurança.

Em sua palestra, Lovejoy saudou vários cientistas brasileiros como exemplares em excelência em suas pesquisas. Entre outros, Eneas Salati, Carlos Nobre e Carlos Joly.

Fonte:http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2011/10/27/amazonia-esta-muito-proxima-de-nao-conseguir-sobreviver-diz-estudioso.jhtm

04 dezembro 2011

OS CAMPEÕES EM EMISSÃO DE GASES POLUENTES DO PLANETA

01/12/2011


Metade dos gases estufa é gerada por 5 países; Brasil é o 6º emissor, diz relatório

Mais da metade de todas as emissões de carbono liberadas na atmosfera são geradas por cinco países, segundo um ranking de emissões de gases estufa publicado nesta quinta-feira (1) no qual o Brasil aparece na sexta posição.

China, Estados Unidos, Índia, Rússia e Japão lideram o ranking, seguidos de Brasil, Alemanha, Canadá, México e Irã, de acordo com a lista, divulgada durante as negociações climáticas da ONU em Durban, África do Sul.

Ver em tamanho maiorCOP-17, Conferência do Clima em Durban, África do SulFoto 29 de 37 - Voluntários do Sierra Club se vestiram de preto nesta quinta-feira (1) na Conferência das Nações Unidas, em Durban, e realizaram um funeral simbólico ao carvão. O enterro mostra o sucesso que os ativistas já tiveram em conseguir derrotar 150 propostas em que o carvão seria usado como recurso energético. Na imagem, turbinas de vento e painéis solares também assistem ao funeral Alexander Joe/ AFPOs primeiros 10 países da lista são responsáveis por dois terços das emissões globais, acrescentou o documento, compilado pela empresa radicada na Grã-Bretanha, Maplecroft, especializada em análise de risco.

Três dos seis maiores emissores são gigantes emergentes que demandam energia e desenvolvem suas economias a uma velocidade vertiginosa.

A China, que superou os Estados Unidos alguns anos atrás no topo da lista, produziu 9.441 megatoneladas de CO2-equivalente (CO2e), uma medida que combina dióxido de carbono (CO2) com outros gases aprisionadores de calor, como metano e óxido nitroso.

O método de cálculo utilizado combinou números de 2009 para o consumo de energia com números estimados para 2010.

A maioria das emissões dos países é de dióxido de carbono, graças à enorme demanda de energia. O uso de energias renováveis está aumentando, mas continua pequeno em comparação com o de combustíveis fósseis.

A Índia produziu 2.272,45 megatoneladas de CO2e, parte significativa de metano gerado na agricultura.

"Embora o uso per capita de energia na China e na Índia seja relativamente baixo, a demanda em geral é muito grande", explicou Chris Laws, analista da Maplecroft.

"Quando combinado com o alto uso de carvão e outros combustíveis fósseis, isto resulta em grandes emissões nos dois países", acrescentou.

A produção brasileira, de 1.144 megatoneladas derivados do uso energético, seria significativamente maior se o desmatamento fosse levado em conta.

Entre as economias avançadas, os Estados Unidos - o primeiro país em emissões per capita entre as grandes potências - produziram 6.539 megatoneladas de CO2e.

A Rússia, com 1.963 megatoneladas, ficou em quarto. Suas emissões caíram após a derrocada da União Soviética, mas espera-se que subam.

No Japão, onde a geração é de 1.203 megatoneladas de CO2e, os temores de segurança com relação à energia nuclear levaram a uma maior dependência em combustíveis fósseis, e um pico em emissões de carbono, disse Laws.

Ele destacou, no entanto, que o governo japonês anunciou sua intenção de preencher a lacuna energética com fontes renováveis.

"É improvável que a tendência de aumento das emissões de gases efeito estufa seja mitigada em médio e longo prazos", relatou por e-mail.

O índice dos 176 países, com base nos níveis anuais de emissões de gases de efeito estufa, combina dados sobre as emissões de CO2 de uso energético e emissões de gases não CO2.

Os dados vieram de várias fontes, entre elas a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA).

As negociações de Durban, que envolve 194 países no âmbito da Convenção-quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC) se estendem até 9 de dezembro.

Fonte:http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/afp/2011/12/01/metade-dos-gases-estufa-e-gerada-por-5-paises-brasil-e-o-6-emissor-diz-relatorio.jhtm

25 novembro 2011

VAZAMENTO DE PETRÓLEO - INCOMPETÊNCIA OU DESCASO?

21/11/11 - 09h53


Publicado Por: Bruna Gavioli

Chevron admite erro em vazamento de petróleo no RJ

O vazamento do petróleo está localizado a 160 quilômetros da costa do Estado do Rio de Janeiro

ROGERIO SANTANA / GOV. ESTADO RJ / EFE



Jornal da Manhã

A empresa norte-americana Chevron assumiu a responsabilidade pelo vazamento de petróleo no Brasil e divulga hoje estimativa da quantidade derramada. As informações são do presidente da subsidiária local, George Buck, às agências internacionais neste domingo, no Rio de Janeiro.

O vazamento começou há treze dias na Bacia de Frade, na Bacia de Campos. O produto escapou por meio do poço que estava sendo perfurado, migrou para as rochas por meio de fissuras. Depois, aflorou no fundo

Publicidade do mar, atingindo a superfície da água e formando as grandes manchas, detectadas pela Petrobras.

"Vamos compartilhar as lições aprendidas na esperança de que isso não ocorra de novo no Brasil ou em qualquer lugar do mundo", disse George Buck. Para o presidente, o vazamento ocorreu porque a companhia subestimou a pressão do reservatório perfurado e superestimou a resistência rochosa.

A Polícia Federal do Rio de Janeiro vai ouvir esta semana sete funcionários da empresa americana Chevron. O chefe da Delegacia do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico, Fábio Scliar, afirmou que o crime ambiental está comprovado. “É uma situação bastante preocupante. Eu caracterizo como um desastre ambiental e nós estamos agora na fase de oitivas”.

O vazamento do petróleo está localizado a 160 quilômetros da costa do Estado do Rio de Janeiro.A Chevron tem 52% do campo de Frade, que está produzindo 79 mil barris de óleo e gás natural por dia, e é operadora do campo.

No ápice do vazamento, a Agência Nacional do Petróleo disse que cerca de 200 a 330 barris de petróleo estavam vazando pelas rachaduras. O presidente da subsidiária local, George Buck, garante que a estimativa oficial da Chevron deve ser divulgada na segunda-feira.

CÓDIGO FLORESTAL - QUE PENA QUE O FOCO NÃO É AMBIENTAL!

24/11/2011 - 10h20 / Atualizada 24/11/2011 - 13h52

Senado retoma votação de Código Florestal em comissão; aprovação avança depois de atender a ruralistas

Camila Campanerut*

Do UOL Notícias, em BrasíliaComentários


Entenda as principais polêmicas do texto

Dilma pede consenso sobre decisão do novo Código Florestal

Comissão de Meio Ambiente do Senado aprova texto-base do relatório do Código Florestal

Os integrantes da comissão de Meio Ambiente do Senado devem analisar nesta quinta-feira (24) as 77 emendas que foram destacadas para serem votadas e poderão alterar o conteúdo do texto-base do projeto que reforma o código florestal brasileiro. Programada para às 9h, a sessão começou com cerca de 1h30 de atraso.

A discussão de ontem (23) para a aprovação do texto principal avançou somente depois do relator do projeto, o senador Jorge Viana (PT-AC) acatar uma emenda de autoria do senador Luiz Henrique (PMDB-SC), que em nome dos ruralistas, modificou alguns itens do texto que beneficiam os produtores rurais.

As mudanças de última hora do senador petista também foram resultado da pressão do grupo de ruralistas que ameaçaram barrar ou atrasar outras votações importantes na Casa, como a renovação do prazo de vigência da DRU (Desvinculação de Receitas da União) até 2015 - uma das prioridades do governo Dilma para ser aprovada ainda este ano.

Ver em tamanho maiorEstudantes protestam contra novo Código FlorestalFoto 1 de 12 - Estudantes protestam na Chapelaria do Congresso Nacional contra o Codigo Florestal, nesta quarta-feira (23), em Brasília Sergio Lima/FolhapressMudanças

O acordo entre ruralistas e ambientalistas que resultou nas mudanças no texto revoltou os parlamentares que não participaram das discussões que foram realizadas na noite de terça-feira (22).

Entre as mudanças está a suspensão das multas dos proprietários que desmataram APPs (áreas de preservação permanente) e reservas legais até 2008 e que aderirem ao PAR (Programa de Regularização Ambiental), que irá definir normas de recuperação aos danos causados. A conversão será em atividades de proteção ambiental, que no texto anterior de Viana se restringia apenas à agricultura familiar e aos pequenos produtores com terras de até quatro módulos fiscais (de 20 a 440 hectares), com a emenda de Luiz Henrique, passou a alcançar todas as propriedades.

"A anistia se aplica enquanto não há regulamentação e depois, enquanto o proprietário estiver recuperando a área. Assim, não há multa, o dinheiro será usado para recuperar a área", explica o especialista ambiental Tasso Azevedo. "Isto é deseducativo. Se aplicarmos a mesma ideia a empresas de petróleo, é como se a Chevron não tivesse que pagar os 50 milhões de multa (pelo vazamento de óleo na bacia de Campos), mas usar este dinheiro para fechar o poço e limpar o mar. O que ela já está fazendo, além de pagar a multa".

Além da suspensão da multa, autuações também foram paralisadas para desmatamentos ocorridos até esta data. O especialista destaca porém que não é possível assegurar se o desmatamento é anterior a 2008, então, na prática, a lei impede autuação de desmatamentos. E sem autuações não há multas.

Outra importante concessão foi a retirada das APPS de áreas de topo de morro com inclinação entre 25º e 45º, livrando, assim, a pecuária e a produção leiteira (que já ocupavam a área, por exemplo), de se enquadrar em uma situação irregular.

Nas APPs, o veto ao corte raso das áreas de florestas foi mantido, mas permite a presença de atividades de baixo impacto que já estejam instaladas no local.

Um ponto ainda criticado no texto é o perdão da multa aos pequenos agricultores que desmataram locais em que era possível fazê-lo legalmente, mas que não tinham licença ou autorização para tal.

Mudanças positivas

Mesmo com as alterações, os produtores rurais continuam obrigados a recuperar as faixas mínimas de mata nativa próxima à beira dos rios, com dimensões que variam de 15 metros a 100 metros, de acordo com a largura do rio.

Já a proteção de manter a vegetação próxima das nascentes e olhos d’água foi contemplada na última versão e terá de ser cumprida em, no mínimo, 30 metros. Tasso acrescenta que outro ponto positivo do texto aprovado foi vincular a fiscalização a um sistema federal.

A aceitação de emendas destacadas poderá alterar ainda mais o texto de Viana, que depois de passar pela comissão de Meio Ambiente, seguirá para ser analisado e votado por todos os senadores em plenário. O texto ainda será analisado novamente pela Câmara devido às modificações que sofreu, antes de ir para apreciação da presidência

*Com Lilian Ferreira

Amigos leitores, só 15 m de APA - Área de Proteção Ambiental, É MUITO POUCO...às vezes fico pensando, meu terreno tem 20 m de frente, então 15 m não dá para nada...o curso d`água fica a descoberto...exposto a todo o tipo de erosão, degradação, poluição...são enxurradas que devastam a terra desnuda e levam o pouco de matéria orgânica que tem neste ecossistema, sol e  vento, assolam estas margens desnudas.

Sei que muitos irão dizer que precisamos produzir alimentos...
ALIMENTOS? 
O planeta tem muitas terras para produzir...produzir com inteligência, sem degradar, sem desperdícios, sem sacrifícios para o ecossistema...SEJAM ASTUTOS SENHORES RURALISTAS E POLÍTICOS...SE A ÁGUA FALTAR, IREMOS TODOS MORRER JUNTO COM O PLANETA...não teremos como produzir...a água é um bem de valor inestimável...PENSEM NISTO!

Helena Rezende
Foto: http://aquiondeeumoro.wordpress.com/2011/09/20/grande-sertao-veredas-aqui-no-pais-onde-moramos/

13 novembro 2011

PAPEL SEMENTE

Fantástico, queridos leitores!

O Cursinho Pré-Vestibular Elite de Campinas, fez um folder com PAPEL SEMENTE...bárbaro!
Adorei a idéia!
Você vai rasgando os pedaços e molhando o papel semente, sem encharcá-lo...escolha um local que possua terra fértil e plante-o, tendo o cuidado de colocar pouca terra por cima dele.
Regue uma vez ao dia. Após cerca de 15 dias, sua plantinha germinará.
Continue a regá-la diariamente e a exponha ao sol, evitando contudo sol excessivo durante o verão.

Parabéns, Curso Elite, é assim que plantamos idéias...quem sabe assim poderemos fazer um mundo melhor...Plantar ótimas idéias verdes para salvar o nosso planeta.

Helena Rezende

02 novembro 2011

CONFIANÇA...este é o nome de um e-mail que recebi com estas maravilhosas fotos!

QUERIDOS AMIGOS, LEITORES, SEGUIDORES...obrigada por acessarem o meu blog, conto com vocês para fazermos um pouquinho pelo nosso Mundo e para vocês um PRESENTE, vejam e sonhem com este mundo tal qual TIPPI COMPARTILHA!

AS FOTOS SÃO DE UMA GAROTINHA FRANCESA CHAMADA TIPPI. NASCIDA EM NAIROBI, ÁFRICA EM 1990. CRESCEU NA SELVA COM SEUS PAIS QUE SÃO FOTÓGRAFOS DA VIDA SELVAGEM. ELES DOCUMENTARAM A VIDA DE SUA FILHA COM OS ANIMAIS. SÃO FOTOS MARAVILHOSAS!


This French girl, Tippi, was born in Nairobi, Africa in 1990.





A ONG XODÓ DE BICHO ESTÁ COM VÁRIOS GATOS PARA DOAÇÃO...AJUDE-NOS A ENCONTRAR UM LAR!

Cheguei à pouco de uma obra na cidade...fui avisada que uma gata havia tido 4 gatinhos lá, no meio dos tijolos e que corria risco de vida devido à periculosidade do ambiente.

Fui até lá, mas voltei muito triste pois não a enconrei...espero que algum filho de Deus tenha se apiedado e a retirado com os seus filhotes à salvo...meu Deus, não quero pensar no pior....

Por que os Homens só pensam em si, se esquecendo da dor, da necessidade e da vida dos nossos parceirinhos!

Já pensaram o quanto este mundo seria HORRÍVEL, se não tivéssemos os animais para nos alegrar e nos permitir ser mais humanos???

Já pensaram o nosso mundo sem árvores e sem flores????

Um mundo inóspto...sem água, sem vida!

COM TODA A CERTEZA, ESTE MUNDO NÃO TERIA CONDIÇÃO DE EXISTIR!

URSOS PANDA - PRECISAMOS SALVÁ-LOS!

BERÇÁRIO DOS URSOS PANDA!


Lindos!!!!!!
Amo todos eles!!
Por tudo de bom que a natureza nos oferece e pelas suas maravilhas, é que convido a todos a refletirem sobre os cuidados, o respeito e o quanto precisamos preservá-la.

Um dia de luz para todos vocês, meus queridos leitores!

Um abraço,

Helena Rezende

12 setembro 2011

O CARINHO DOS ANIMAIS PODE SER UMA SOLUÇÃO PARA OS DIAS AGITADOS

16/08/2011 - 06h00


"Cat cafés" alugam carinho de gatos e viram negócio atrativo no Japão.







Esse é o time eficiente que atende os consumidores no pequeno café Nekorobi, escondido no terceiro andar de um prédio em Ikebukuro, em Tóquio. Detalhe: são todos gatos.

Os chamados “cat cafés” ("café dos gatos") tornam-se cada vez mais populares no Japão, em uma sociedade em que é cada vez mais difícil ter seu próprio bichinho de estimação, devido ao alto custo de vida, às longas jornadas de trabalho e aos apartamentos minúsculos, onde muitas vezes é proibido manter animais.

Além disso, a população tem índices crescentes de pessoas solteiras e sem filhos, o que torna a solidão um problema –ou uma oportunidade de negócio para os “cat cafés”.

Na verdade, a maioria dos “cat cafés” não vende comidas e bebidas de maneira avulsa. Em geral, eles cobram um valor por hora, e os clientes podem brincar com os gatos, usar a infraestrutura do local (em geral, TV, computador, internet, revistas, videogame) e consumir à vontade os produtos de máquinas de bebidas e salgadinhos.

O Nekorobi, por exemplo, oferece TV, computador, videogame, acesso à internet sem fio, máquina de bebidas (tudo incluído) e impressora para imprimir fotos dos bichanos. Fotos, aliás, são permitidas, desde que sem flash.

Em alguns "cat cafés", cliente tem de fazer reserva

Não há um número exato de quantos “cat cafés” existem no Japão, mas acredita-se que haja pelo menos 39 só em Tóquio. Em alguns, o movimento é tanto que os clientes precisam fazer reserva.

Não é o caso do Café Nekorobi. O local funciona das 11h às 23h durante todos os dias, e garante que, mesmo quando está lotado, o cliente só precisa esperar por volta de 10 minutos.

No Nekorobi o “serviço” custa 1.000 ienes (cerca de R$ 21) a primeira hora nos dias de semana, e 1.200 ienes (R$ 25,20) nos fins de semana e feriados.

Já no Café Asakusa Nekoen, o ingresso custa 800 ienes (R$ 16,8) e dá direito a 1 hora com os gatinhos. Cada meia hora adicional custa mais 200 ienes (R$ 4,20).

Na concorrência, o Neko Jalala tenta atrair clientes em meio às lojas hi-tech do distrito de Akihabara. O café tem até página no Facebook.

“Para escapar do stress da vida urbana, os clientes do ‘cat café’ Neko Jalala em Tóquio podem relaxar em sofás macios enquanto tomam um chá –e alisam o pelo de um dos oito gatos da equipe do café”.


Os bichaninhos são muito dóceis e podem nos ajudar a combater o stress nosso de cada dia.

I love the cats.

Helena Rezende

23 agosto 2011

A BAIXA UMIDADE RELATIVA DO AR ... ATÉ QUANDO?




Fonte da foto: http://meioambiente.culturamix.com/natureza/queimadas-em-florestas

18/08/2011

A semana, mesmo antes de acabar, já registra os piores índices de umidade relativa do ar do ano. Alguns Estados da região central do Brasil chegaram a atingir o índice de 10%, considerado de emergência. Há registros também de que a cidade goiana de Posse tenha alcançado o recorde anual de 8%. O panorama brasileiro, no entanto, segundo Odete Marlene Chiesa, meteorologista do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), é o esperado para o período e não supera os índices do ano passado.

"As chuvas de junho e julho neste ano contribuíram para a melhora da qualidade do ar no centro do país em relação ao ano passado, que teve um intervalo de chuva de 23 de maio a 2 de outubro", diz Chiesa, que relaciona a baixa umidade do ar às condições climáticas características dessa época do ano.

Recomendações de saúde para baixa umidade do ar

Índices entre 20 e 30%

- Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h;

- Umidificar o ambiente com vaporizadores, toalhas molhadas e recipientes com água;

- Sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol e em áreas vegetadas

- Ingerir bastante água.

Índices entre 12 e 20%

- Observar as recomendações do estado de atenção;

- Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 16h;

- Evitar aglomerações em ambientes fechados;

- Usar soro fisiológico para olhos e narinas.

Índices abaixo de 12%

- Observar as recomendações para os estados de atenção e de alerta;

- Determinar a interrupção de qualquer atividade ao ar livre entre 10h e 16h;

- Determinar a suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas;

- Durante as tardes, manter com umidade os ambientes internos.

Esse ar seco atinge prioritariamente o Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Tocantins, o oeste de Minas Gerais, o norte do Mato Grosso do Sul, o oeste de São Paulo e o oeste da Bahia. Todos esses Estados decretaram alerta e atenção no decorrer desta semana, conforme a Defesa Civil Nacional. Em alguns municípios de Goiás, Tocantins, Distrito Federal e Mato Grosso os índices atingiram níveis inferiores a 12%, o que representa estado de emergência.
Os dados do Inmet apontam que, na última quarta-feira (17), Goiânia foi a capital que registrou a menor umidade do ar, com 18%. Na sequência aparecem Campo Grande (21%), Brasília (23%), Palmas (24%) e São Paulo (24%). Com 38,2ºC, Cuiabá registrou a maior temperatura. O alerta é feito sempre que a umidade corre o risco de ficar abaixo dos 30%.

A previsão do instituto é de que o tempo continue seco nesta quinta-feira (18) em todo o Centro-Oeste com umidade relativa do ar variando entre 15% e 25%. No Sudeste, a névoa seca permanecerá em Minas Gerais e atingirá parte do Espírito Santo. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o recomendado para a saúde é que o índice esteja acima de 60%.
Com o tempo seco aumenta também o número de queimadas no país. Somente nesta quarta-feira, o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registou 6.955 focos de incêndio, a maioria deles (876) em São Paulo. Mato Grosso do Sul (805), Goiás (703), Minas Gerais (676) e Maranhão (628) também integram o ranking de Estados com mais focos de incêndio.

São Paulo

A cidade de São Paulo registrou na quarta o segundo dia mais seco do ano. A umidade relativa do ar na capital chegou a 24% e perdeu apenas para o índice de terça-feira (16), que atingiu 22%. Os dados também são do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

O calor também marcou o dia dos paulistanos. De acordo com as estações meteorológicas dos aeroportos do Campo de Marte e Congonhas, os termômetros chegaram a atingir 30,8ºC.

A previsão é que a quinta-feira (18) seja marcada pela passagem de uma fraca frente fria pelo oceano ao largo do litoral paulista. O fenômeno muda a direção dos ventos, favorece a entrada da circulação marítima e contribui para o aumento gradual da umidade relativa do ar. A quinta será de céu nublado com temperaturas de no mínimo 15ºC e no máximo 27ºC. Não há previsão de chuvas.

Na sexta-feira (19), o ar seco do interior volta atingir a capital. O sol aparecerá com força elevando as temperaturas para 30ºC com influência na baixa umidade do ar. As chuvas estão previstas apenas para o sábado (20).

Minas Gerais

Com a estiagem nas regiões norte e noroeste de Minas Gerais, 97 cidades mineiras decretaram situação de emergência neste ano, de acordo com boletim atualizado da Defesa Civil Estadual.

Índices de umidade do ar

Acima de 30% Observação

De 30 a 20% Estado de atenção

De 19 a 12% Estado de alerta

Abaixo de 12% Emergência

Segundo o meteorologista Heriberto dos Anjos, do Centro de Climatologia TempoClima, da PUC-MG (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais), no último sábado (13) foi registrado o índice de 12% (considerado clima de deserto) na capital mineira, onde não chove há 64 dias. "Em alguns municípios do Estado, como Pirapora e Curvelo, não chove há mais de 100 dias", explicou o especialista.

Nas localidades mais afetadas pelo tempo seco, houve envio de caminhões-pipa e cestas básicas, informou a defesa civil. "São predominantemente localidades pequenas nas quais o poder público local, às vezes, não consegue fazer frente aos desastres naturais e agir de forma preventiva. Há também uma questão estrutural. Alguns municípios não têm sistema de fornecimento de água. Se não for água da chuva, não tem [água para moradores]. Eles não têm um sistema de captação e distribuição", frisou.
Segundo o meteorologista Claudemir de Azevedo, do 5º distrito de Meteorologia, do Inmet, a estiagem registrada em Minas Gerais não é atípica. “Várias cidades do norte de Minas Gerais apresentam mais de 60 dias sem precipitação [chuva]. [Mas] está dentro do esperado até agora, visto que nós estamos dentro do período de estiagem. Em setembro devem começar a ocorrer as primeiras chuvas na região”, ressaltou o especialista.

Ele alerta para as medidas paliativas que a população deve adotar nesse período em razão da baixa umidade do ar. "A população deve ingerir bastante água, usar roupas leves e evitar a exposição direta aos raios solares", alertou.

Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro também sofre com o tempo seco que aflige parte do país. Segundo informações da Folha, três regiões da cidade ficaram em estado de alerta na quarta-feira, com a umidade relativa do ar abaixo dos 20%: Vila Militar (17%); Jacarepaguá (17%) e Santa Cruz (18%), todas na zona oeste. Nos arredores do aeroporto do Galeão, na zona norte, esse número chegou a 21%.

Os termômetros marcaram 35ºC no Rio de Janeiro. No interior do Estado, a umidade também ficou baixa. Em Resende, chegou a 20% e em Teresópolis, na região serrana, 30%. Nos próximos dias, no entanto, a previsão é que a temperatura no Estado caia em pelo menos dez graus com a chegada de uma frente fria e chuva.

*Com reportagem de Rayder Bragon, especial para o UOL Notícias, em Belo Horizonte

Fonte:  http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/08/18/semana-e-a-mais-seca-do-ano-seis-estados-seguem-em-atencao.jhtm

Humanos, humanóides, vamos agir !
Pseudos gestores (governantes) deste Planeta, por favor, VAMOS ZERAR O DESMATAMENTO!
VAMOS INVESTIR EM TRANSPORTE COLETIVO SUSTENTÁTEL E SEGURO, assim reduziremos a frota de veículos que transitam diariamente nas cidades e estradas!
VAMOS DEIXAR O CARRO NA GARAGEM PARADÃO, PELO MENOS DOIS DIAS NA SEMANA!
- CONVERSE COM OS SEUS AMIGOS, SEUS VIZINHOS, VAMOS ADOTAR O TRANSPORTE SOLIDÁRIO!

AJA MONÓXIDO DE CARBONO NOS ARES!
AJA QUEIMADAS IRRESPONSÁVEIS!
AJA DERRUBADA DE ÁRVORES...FLORESTAS...MATAS CILIARES!
NÃO PRECISAMOS DE MAIS TERRAS DESMATADAS!  As que já estão sem árvores já são suficientes para produzirmos para abastecer de alimentos o mundo...o segredo é saber produzir de modo intensivo e sustentável.
Com consorciação de lavouras e plantio direto.
Com racionalidade!
Com consciência!
Com respeito à vida!

ACORDEM!
ESTAMOS NOS AFIXIANDO!
ESTAMOS SUICIDANDO E ASSASSINANDO OS QUE NÃO DESTROEM!

Helena Rezende

17 agosto 2011

FOTO DO DIA


Esta é a linda gata JADE do meu caro colega Luiz.

GELEIRAS SUL AMERICANAS ESTÃO EM RISCO


As grandes geleiras da Argentina e da Patagônia chilena, que são grandes atrações turísticas e que atraem milhares de visitantes do mundo inteiro, correm risco de desaparecer.

Segundo um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, as geleiras da patagônia que cobrem parte da Argentina e do Chile, são as que perderam mais massa no mundo por causa dos efeitos do aquecimento global. O documento alerta que estas geleiras se derretem mais rápido do que as da Europa.

Foto:http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/efe/2011/03/08/nasa-adverte-que-os-polos-estao-derretendo-mais-rapido-que-o-previsto.jhtm

Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/960949-geleiras-da-america-latina-correm-o-risco-de-desaparecer-veja.shtml

Onde está a nossa RESPONSABILIDADE??

No uso e abuso de tudo que não é sustentável - nas queimadas criminosas, na poluição do ar (monóxido de Carbono exalando das fábricas, dos veículos de locomoção), na poluição dos cursos d´àgua e no Desmatamento.

SOMOS IRRESPONSÁVEIS COM O NOSSO PLANETA, ATÉ QUANDO VAMOS CONTINUAR ASSIM?

Helena Rezende



01 agosto 2011

SEGUIDORES...LEITORES!

Estou imensamente feliz, pois encontrei hoje no meu blog, 100 seguidores...Obrigada, meus queridos leitores, obrigada, meus fiéis seguidores...perdoem-me, quando não posto, às vezes o tempo não permite.

Para vocês, com todo o meu carinho e agradecimento:


Ontem floriste como por encanto,


sintetizando toda a primavera;

mas tuas flores, frágeis, entretanto,

tiveram o esplendor de uma quimera.

Como num sonho, ou num conto de fada,

se transformando em nívea cascata,

tuas florzinhas, em sutil balada,

caíam como se chovesse prata…

Autor: Sílvio Ricciardi

Fonte: http://folhadevilhena.com.br/news2011/?p=11192

De: Helena Rezende

GENTE, VAMOS TER MAIS RESPEITO COM A NATUREZA...!

01/08/2011 - 09h26


Ex-favelados descartam lixo, TV e até sofá em córrego de SP


DE RIBEIRÃO PRETO



O córrego Tanquinho, que corta duas favelas de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), ficou ainda mais entupido com o lixo e os objetos descartados pelos ex-moradores, removidos neste final de semana para apartamentos do conjunto habitacional Jardim Wilson Toni.

Remoção de favela ocorre sem conflitos em Ribeirão Preto

Na manhã de sábado (30), quando começou a remoção das cerca de 190 famílias das favelas do Brejo e Vila Zanetti, era possível ver peças velhas de roupa, aparelhos de TV e até sofás dentro da água cinza-esverdeada.

Os ex-favelados continuavam a descartar lixo durante a mudança. O secretário da Casa Civil, Layr Luchesi Júnior, disse que o Tanquinho já era poluído, mas que a sujeira aumentou nos dias que antecederam a remoção.

Marcia Ribeiro/Folhapress
Durante remoção, moradora da favela do Vila Zanetti joga lixo no córrego Tanquinho, em Ribeirão Preto (SP)
Luchesi afirmou, porém, que a limpeza do córrego deve acontecer a partir dos próximos dias, assim que a destruição da favela estiver finalizada --a remoção de 238 famílias, incluindo as da Vila Elisa, terminou ontem.
A Secretaria do Meio Ambiente também vai providenciar o reflorestamento da área com espécies nativas, segundo Luchesi. "A Mariel [Silvestre, titular da pasta] já está cuidando disso".

MUDANÇA

A aposentada Flora Moreira, 67, comemorou a saída da favela do Brejo. "Faz cinco anos que eu sofro. Agora, graças a Deus, vou ter um lar outra vez", disse. Ela e o marido, Sebastião Moreira, 66, foram para a favela depois que, doentes, ficaram sem condições de pagar aluguel.
Segundo a prefeitura, entre 80 e 100 cães e gatos foram retirados das favelas. Eles irão para doação.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/952592-ex-favelados-descartam-lixo-tv-e-ate-sofa-em-corrego-de-sp.shtml

Não acho que o fato das pessoas terem morado em bairros paupérrimos, façam delas pessoas que não respeitam o meio ambiente ou outros seres. Conheço pessoas maravilhosas, que são hiper pobres e têm muito respeito e amor dentro de seus corações. A condição social, religiosa, étnica ou cultural, não faz do ser humano um ser melhor ou pior, ser bom e respeitoso faz parte de nosso ser. Ninguém aprende a ser bom ou mal. Podemos educar as pessoas, mas não poderemos jamais modificar seus sentimentos.

Uma atitude como esta em Ribeirão Preto, nos faz desencantar com os seres humanos... mas fico pensando: porque que a Prefeitura não deu um respaldo ou baixou uma norma para que isto não acontecesse, ou seja, córregos, rios, mares, ou qualquer curso d´água, não são lugares de despejarmos lixos ou descartes?...ÁGUA É VIDA!

28 julho 2011

QUANDO O SER HUMANO PERDE A CABEÇA, TODOS SOFREM!

28/07/2011 - 05h52

Filhote de gata sobrevive a ciclo de 1h em lava-roupas




Um filhote de gata sobreviveu a um ciclo de uma hora dentro de uma máquina de lavar junto com a roupa suja.

Princess, uma gatinha de oito semanas que vive com a dona, Susan Gordon, na Escócia, foi levada para a emergência veterinária já à beira da morte, mas conseguiu escapar.
"Coloquei a roupas na máquina, pus o sabão, fechei a porta e liguei a máquina. Depois, dei as costas e fui assistir televisão", disse Susan.
Uma hora mais tarde, quando o marido abriu a porta do eletrodoméstico para recolher a roupa limpa, encontrou o animalzinho desorientado e frágil.
"A pobrezinha estava tremendo muito. Peguei uma toalha e a enrolei", disse Susan. "Fiquei com ela perto de mim. Ela estava em estado de choque." Princess foi levada para o veterinário com hematomas, sangramento no nariz e olhos irritados pelo sabão. Ela ficou sob tratamento durante três dias.
Tratada, aquecida e recuperada, a gatinha está de volta à casa e goza de boa saúde. "Agora sempre checo a máquina antes de colocar a roupa", disse a dona.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/bbc/2011/07/28/filhote-de-gata-sobrevive-a-ciclo-de-1h-em-lava-roupas.jhtm

Precisamos agir com mais amor, mais responsabilidade, respeitar mais as pessoas, os animais e o meio ambiente, para que de verdade, possamos fazer alguma coisa para salvar nosso planeta.

22 julho 2011

A SUSTENTABILIDADE E A CONSTRUÇÃO DOS ESTÁDIOS PARA A COPA DO MUNDO NO BRASIL - SELO VERDE

Selo Verde: arenas de Cuiabá e Brasília estão mais adiantadas

9 de julho de 2011 às 05h19





Quando o assunto é certificação Leed, ou selo verde nos estádios, o Brasil está na frente. A primazia brasileira até levou a Fifa a incluir metas de sustentabilidade em seu manual técnico para as obras da Copa de 2014.

A informação é de Felipe Faria, gerente de relações governamentais e institucionais do Green Building Council (GBC Brasil): "O Leed está presente em 127 países, mas são poucas as arenas mundiais que têm o selo verde, ou que estejam na posição do Brasil na busca da certificação", afirma ele. O GBC Brasil, organização não governamental criada em 2007 para promover processos de certificação do selo Leed no país, assessora o BNDES na certificação dos estádios da Copa de 2014.

Entre os estádios que sediarão os jogos da Copa em 2014, oito já estão em processo de certificação para o selo verde. Os mais adiantados, conta Faria, são os de Brasília (Estádio Nacional Mané Garrincha) e Cuiabá (Arena Pantanal), que já enviaram a documentação exigida. E Brasília manifestou a intenção de obter o selo no nivel platina, o mais alto na escala do GBC, contou Felipe Faria. Também buscam certificação os estádios de Belo Horizonte, Manaus, Natal, Fortaleza, Salvador e Recife. No caso do estádio carioca, o Maracanã, "ainda falta pedirem registro de certificação, mas sabemos que a obra segue os padrões de um empreendimento sustentável e a solicitação ainda deve ser feita", avalia o gerente do GBC Brasil.

Para obtenção do selo verde, explica Faria, é necessário ao empreendimento observar alguns requisitos básicos, como: adoção de materiais de baixo impacto ambiental (por exemplo, aço e alumínio em parte produzidos com matéria-prima reciclada), tintas e vernizes com compostos orgânicos voláteis, pisos drenantes, etc. Além disso, estádios que tenham obras de demolição devem reciclar os resíduos gerados e dar destinação correta ao que não pode ser aproveitado, como de fato vem sendo feito na obra do Maracanã e do Fonte Nova, diz o representante do GBC Brasil.

"Sustentabilidade não encarece a obra", afirma Felipe Faria, do GBC BrCertificação

As arenas de São Paulo (Corinthians), Curitiba (Arena da Baixada) e Porto Alegre (Beira-Rio) ainda não iniciaram os procedimentos para obter o certificado Leed. "Os dois últimos provavelmente porque não utilizarão os recursos do BNDES, banco que tem como exigência a certificação ambiental", observa. Mas, correndo por fora dos preparativos da Copa de 2014, a Arena Grêmio, em Porto Alegre, já está dentro do processo, explicou Felipe Faria.

Antes de conceder o selo Leed, o BNDES estabelece duas fases de análise: uma avaliação prévia do projeto, na sua etapa final, e depois da obra concluída, no início de operação do estádio, quando os equipamentos são finalmente testados e conferida sua sustentabilidade efetiva.

Vantagens do Leed

"A grande vantagem do selo Leed nos empreendimentos é o ganho operacional, com reduções de custos principalmente quanto ao uso energético e de água", analisa o executivo do GBC Brasil. Segundo Faria, "a redução no consumo de energia chega a 30%, e até 50%, no caso do gasto com água, isto durante 40, 50 anos, ou em toda a vida do equipamento". No custo operacional total, a redução é de 9% nas construções sustentáveis, completa.

"Sustentabilidade não encarece a obra. Uma obra sustentável é também a que vem com planejamento, que é o que de fato pode reduzir custos", conclui Faria.

Fonte: Portal 2014